Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Últimas Notícias

Newsletter

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . .
Dow Jone ... % . . . . .
Espanha 0% . . . . .
França 0,43% . . . . .
Japão 1,86% . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,32 4,32
EURO 4,68 4,68
LIBRA ES ... 5,62 5,62
PESO (CHI) 0,01 0,01
SOL NOVO 1,28 1,28
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Sinésio Campos quer regularização fundiária para produtores do Rio Preto da Eva

  A Comissão de Geopersidade, Recursos Hídricos, Minas, Gás, Energia e Saneamento da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), presidida pelo deputado estadual Sinésio Campos (PT), realizou a primeira reunião de 2020 com representantes dos produtores rurais do município de Rio Preto da Eva, para debater o ofício encaminhado à Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), com as propostas de alteração das Resoluções n.º71 e 101 de 2019, do Conselho Administrativo da Suframa (CAS) para que possa ser viabilizada a regularização fundiária de lotes de terras no Distrito Agropecuário da Suframa (DAS), ocupadas por produtores do município. A reunião foi realizada na manhã desta quarta-feira (22), na Aleam, quando foi apresentado o documento. Uma comissão especial foi criada durante a realização de audiência pública em Rio Preto da Eva, em novembro passado, para debater e encaminhar providências sobre a regularização fundiária em áreas rurais do município. Além de representantes de entidades de classe dos produtores, a comissão é integrada pela Suframa, Prefeitura de Rio Preto, Governo do Estado e INCRA. Sinésio Campos explicou que as mudanças propostas das resoluções objetivam justiça social e a segurança jurídica dos ocupantes, beneficiando aproximadamente dez mil pessoas que já habitam no local, alguns por até mais de 20 anos. “Entendemos que o desenvolvimento do Estado passa pela produção, sobretudo da agricultura familiar. Mas as famílias precisam de segurança da titulação da terra para poderem trabalhar em paz e a obtenção de linhas de financiamentos. Não é justo trabalhar sobressaltado com ações da Justiça e da Policia Federal para reintegração de posse dos lotes”, afirmou. Para o andamento do processo é necessário procedimentos legais como o georreferenciamento (identificação do imóvel rural) contendo o mapa produtivo nos lotes e também licenciamento ambiental. O deputado deixou claro a necessidade de organização dos produtores na luta para consolidação do processo junto à Suframa, Incra e Governo do Estado, principalmente nas formalidades legais. É preciso a comprovação de produção para justificar a concessão fundiária, “sítio é diferente de produção no setor primário”, alertou. Outro ponto debatido foi sobre os custos para o trabalho de georreferenciamento. Os técnicos credenciados cobram em média 3 mil reais por um lote de 100 por 1.000. Sinésio também esclareceu que a Comissão da Aleam não pode interferir na realização desse trabalho, pois a iniciativa tem de partir da Prefeitura de Rio Preto. “Se a prefeitura não dispuser de recursos, ela deverá entrar em contato com o Governo Estado solicitando recursos técnicos e financeiros para realização do levantamento”, esclareceu.     Gabinete do Deputado Sinésio Campos (PT) Texto: Assessoria do Deputado Gabinete (92) 3183-4431 Jéssica Trajano (92) 99224-6013 ascomsinesio@gmail.com        
22/01/2020 (00:00)
Acessos  142037
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.