Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Últimas Notícias

Newsletter

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . .
Dow Jone ... % . . . . .
Espanha 0% . . . . .
França 0,43% . . . . .
Japão 1,86% . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,32 4,32
EURO 4,68 4,68
LIBRA ES ... 5,62 5,62
PESO (CHI) 0,01 0,01
SOL NOVO 1,28 1,28
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Projeto prevê transparência em valores cobrados por clínicas particulares

  O Projeto de Lei nº 641/2019, de autoria do deputado Roberto Cidade (PV), prevê que as unidades de saúde privadas disponibilizem aos pacientes e acompanhantes, a tabela de preços dos serviços como consultas, exames e medicamentos. Para o autor da propositura, a medida visa dar transparência e assegurar aos usuários, o conhecimento prévio da tabela com todos os preços praticados pelas unidades, para não haver surpresa com valores “absurdos”. “Queremos com esse PL, evitar que os pacientes sejam surpreendidos, após internações e atendimentos particulares, com contas absurdamente caras e muitas vezes impagáveis”, destacou o deputado. No parágrafo único do Art. 1º, o Projeto de Lei estabelece ainda, como unidades de saúde, consultórios médicos, veterinários, fisioterapeutas, psiquiátricos, dentre outros. O Art. 3º do PL diz que a Lei não se aplica aos atendimentos realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), nem aos planos de assistência à saúde. Na justificativa, Roberto Cidade relembra que a relação entre pacientes e unidades de saúde privadas é regida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC) e que diante do não cumprimento da Lei, o infrator estará sujeito às penalidades previstas no CDC. O projeto recebe apoio de usuários de unidades particulares, como é o caso da jornalista Joelma Muniz. Para ela, o projeto é grande relevância e será muito bem vindo para a sociedade, uma vez que nem todas as unidades disponibilizam os valores com transparência. “Tornar esse serviço obrigatório, ampliando a outros consultórios, além da saúde humana, trará maior segurança aos clientes, pois a pessoa vai buscar e utilizar aquilo que ele pode pagar, sem passar por algum constrangimento de ter recebido um atendimento, com o qual não possa arcar. Então dar transparência é essencial e isso, pode ainda fomentar uma disputa de mercado saudável”, pontuou. O Projeto de Lei apresentado em 2019 aguarda parecer do relator na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).     Gabinete do Deputado Roberto Cidade (PV) Texto: Assessoria do Deputado Moara Cabral (92) 99242-8724    
22/01/2020 (00:00)
Acessos  142066
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.